sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

End of the rainy days


Sei que ela não gosta de chuva.
Mas eu gosto!
Contemplo-a com pormenor, tenho todo o tempo do mundo. Ou assim quero acreditar...
Momentos indeléveis!
Intermináveis em tudo o que representam para mim mas efémeros quando o espírito retorna ao meu corpo.
Arrisco-me numa demanda, quero supor o que desconheço.

Imagino a sua voz...
O seu cheiro...
O toque da sua pele...
Os seus medos e desejos, as suas alegrias e tristezas...

O seu nome? Não quero saber.
Imaginei um, aquele que me parecia conjugar tudo o que via e suponha.
O seu nome é...

6 comentários:

lothlorien disse...

O sol traz-te sempre tanta inspiração? Que venha a Primavera, então ;)

Pipe Shadow disse...

Reply Lothlorien:
Não acho que seja do sol, mas podia ser. ;)
Obrigado pelo comment.

rodericum disse...

i'm throwing my arms around Paris

a cidade da luz não gosta de chuva, é silenciosa de manhã e tem um cheiro de uma tarde de inverno

poderá ela ter pele? se tem artérias..

não estou a dizer nada de jeito, apenas a soltar uns pensamentos

Pipe Shadow disse...

Reply Rodericum:
Já estive em Paris 3 vezes e gosto, mas foi sempre fugaz...
Não me foi possivel absorver todos os cheiros, todas as luzes, todos os sons!

MJ disse...

Gostei muito...
O nome, mero pormenor, comparativamente a tamanha beleza descritiva.. :)
Beijo*

Pipe Shadow disse...

Reply MJ:
Obrigado.
O nome é insignificante quando existe sentimento.
Pode ter todos os nomes do mundo ou mesmo nenhum, é indiferente.

bj